Artigos

Guia de Regência Verbal e Nominal no Português

Regência Verbal e Nominal

A regência é a relação que se estabelece entre uma palavra e seus complementos. Na língua portuguesa, existem dois tipos principais de regência: verbal e nominal. A regência verbal trata da relação de um verbo com seus complementos, enquanto a regência nominal trata da relação de um nome (substantivo, adjetivo ou advérbio) com seus complementos. A regência preposicional ocorre quando um termo regente exige uma preposição para se ligar ao seu complemento. Esses conceitos são fundamentais para entender as regras de regência verbal e nominal na elaboração de textos em português.

Principais Pontos

  • A regência verbal trata da relação entre um verbo e seus complementos.
  • A regência nominal trata da relação entre um nome (substantivo, adjetivo ou advérbio) e seus complementos.
  • A regência preposicional ocorre quando um termo regente exige uma preposição para se ligar ao seu complemento.
  • Dominar as regras de regência verbal e nominal é essencial para escrever com correção em português.
  • A compreensão da regência ajuda a evitar ambiguidades e erros de concordância.

O que é regência?

A regência é a relação que ocorre entre duas palavras de um mesmo enunciado, em que uma palavra (termo regente) determina ou influencia outra palavra (termo regido). Na língua portuguesa, existem dois tipos principais de regência: a regência verbal, que trata da relação entre um verbo e seus complementos, e a regência nominal, que trata da relação entre um nome (substantivo, adjetivo ou advérbio) e seus complementos. Essa relação de regência é fundamental para garantir a correta construção e compreensão dos enunciados em português.

A regência é a relação entre duas palavras de um mesmo enunciado, em que uma palavra influencia a outra.

A regência verbal ocorre quando um verbo estabelece uma relação com seus complementos. Por exemplo, na frase “Eu gosto de música”, o verbo “gosto” exige a preposição “de” para se ligar ao seu complemento “música”. Já a regência nominal ocorre quando um nome (substantivo, adjetivo ou advérbio) estabelece uma relação com seus complementos. Por exemplo, na frase “Estou interessado na história”, o adjetivo “interessado” exige a preposição “na” para se ligar ao seu complemento “história”. Essa relação entre palavras é essencial para uma comunicação clara e precisa em português.

A tabela a seguir apresenta alguns exemplos de regência verbal e nominal:

Regência Verbal Regência Nominal
Concordar com Ansioso por
Acreditar em Preocupado com
Depender de Orgulhoso de

Relação entre palavras

A regência é responsável por estabelecer a relação entre as palavras em um enunciado e garantir a correta compreensão da mensagem transmitida. Através da regência, é possível determinar quais complementos devem ser utilizados e quais preposições devem ser empregadas na construção das frases.

A compreensão da regência verbal e nominal é essencial para escrever de forma clara e coerente. Ela permite evitar ambiguidades e construir frases precisas, onde cada palavra está corretamente ligada e descreve a relação esperada entre os termos.

No próximo tópico, exploraremos os tipos de regência: nominal e verbal, e como cada um influencia a construção das frases em português.

Tipos de Regência: Nominal e Verbal

A regência nominal diz respeito à relação entre um nome (substantivo, adjetivo ou advérbio) e seu complemento, ligados geralmente por meio de uma preposição. Já a regência verbal envolve a relação entre um verbo e seus complementos, que podem ou não exigir uma preposição. Compreender esses dois tipos de regência é fundamental para escrever corretamente em português, pois eles determinam a forma como os termos se relacionam no enunciado.

Na regência nominal, o nome estabelece uma conexão com seu complemento por meio de uma preposição. Essa relação pode indicar posse, origem, causa, entre outros aspectos. Por exemplo:

O orgulho do pai pelo filho.

Nesse exemplo, “orgulho” é o nome que exige a preposição “do” para se relacionar com o complemento “pai”. A preposição estabelece a regência nominal entre os termos.

Já na regência verbal, o verbo estabelece uma relação com seus complementos, que podem ser diretos (sem preposição) ou indiretos (com preposição). Essas relações podem indicar ação, direção, finalidade, entre outras ideias. Por exemplo:

Eu preciso de uma resposta.

Aqui, o verbo “precisar” exige a preposição “de” para se relacionar com o complemento “uma resposta”. A preposição estabelece a regência verbal entre os termos.

Para ilustrar melhor os tipos de regência, confira a tabela abaixo:

Regência Nominal Regência Verbal
Obcecado por Precisar de
Orgulho de Assistir a
Necessidade de Confiar em

Esses exemplos mostram como a regência nominal e verbal podem variar em relação à presença ou ausência de preposição. Dominar esses tipos de regência é essencial para garantir a correta construção das frases e a compreensão adequada do texto em português.

Importância da Regência

A regência é fundamental para garantir a compreensão adequada de um enunciado em português. Ela evita ambiguidades e confusões, pois estabelece uma ligação correta entre uma expressão e o termo que a complementa. Ao dominar as regras de regência verbal e nominal, é possível escrever de forma mais clara, precisa e coerente, garantindo a correta transmissão da mensagem.

A compreensão do enunciado depende da correta aplicação da regência, pois as palavras precisam se relacionar de forma adequada para transmitir uma ideia com clareza. A regência verbal e nominal define como um termo deve se relacionar com outro, estabelecendo a dependência entre eles.

Evitar ambiguidades é um dos principais benefícios de entender e aplicar corretamente a regência na escrita. Quando as palavras estão relacionadas de maneira ambígua, a mensagem pode ser interpretada de forma equivocada, gerando confusões e dificultando a compreensão. Ao utilizar a regência de forma precisa, é possível tornar o enunciado mais claro e facilitar a interpretação correta.

A regência também contribui para evitar mal entendidos e equívocos na comunicação escrita. Ao estabelecer uma ligação correta entre as palavras, é possível transmitir a mensagem de forma mais eficiente e coesa. A compreensão do enunciado depende da regência adequada, pois ela define como as palavras devem ser combinadas para formar uma expressão compreensível e correta.

Além disso, a correta aplicação da regência auxilia na produção de textos mais refinados e bem escritos. Ao dominar as regras de regência verbal e nominal, é possível evitar erros comuns que comprometem a qualidade do texto, como uso incorreto de preposições e problemas de concordância. A regência é um elemento essencial para alcançar maior precisão e elegância na escrita.

Exemplos de Regência

A regência é um aspecto fundamental da língua portuguesa que pode ser dividida em regência nominal e regência verbal. Para compreender melhor esses conceitos, examinaremos alguns exemplos de cada uma delas.

Regência Nominal

A regência nominal ocorre quando um nome (substantivo, adjetivo ou advérbio) estabelece uma relação com um complemento, geralmente ligados por meio de preposição. Vejamos alguns exemplos:

Exemplo Regência Nominal
Obcecado por O termo “obcecado” exige a preposição “por” para estabelecer a relação com seu complemento. Exemplo: “Ele é obcecado por música.”
Orgulho de O termo “orgulho” exige a preposição “de” para estabelecer a relação com seu complemento. Exemplo: “Ela sente orgulho de suas conquistas.”
Necessidade de O termo “necessidade” exige a preposição “de” para estabelecer a relação com seu complemento. Exemplo: “Há uma necessidade de mudança.”

Regência Verbal

A regência verbal ocorre quando um verbo estabelece uma relação com seus complementos, que podem ou não exigir preposição. Vejamos alguns exemplos:

Exemplo Regência Verbal
Precisar de O verbo “precisar” exige a preposição “de” para estabelecer a relação com seu complemento. Exemplo: “Eu preciso de ajuda.”
Assistir a O verbo “assistir” exige a preposição “a” para estabelecer a relação com seu complemento. Exemplo: “Vou assistir ao filme.”
Confiar em O verbo “confiar” exige a preposição “em” para estabelecer a relação com seu complemento. Exemplo: “Podemos confiar nele.”

Observar as preposições ou a ausência delas nesses exemplos é fundamental para determinar a regência correta dos termos. Compreender essas formas de regência contribui para a escrita precisa e coerente em português.

Exemplos de Regência

Concordância Verbal e Nominal

A regência verbal e nominal estão diretamente relacionadas com a concordância verbal e nominal. Na concordância verbal, o verbo concorda com seu sujeito em número e pessoa. Já na concordância nominal, os termos concordam em gênero e número com o nome a que estão relacionados. É importante compreender essas relações para evitar erros de concordância ao escrever em português.

Ao utilizar a concordância verbal, é essencial analisar o sujeito da frase e ajustar o verbo de acordo com o seu número e pessoa. Por exemplo, na frase “As crianças brincam no parque”, o verbo “brincam” concorda com o sujeito “crianças” no plural.

Já na concordância nominal, devemos observar os termos que estão relacionados a um nome e ajustá-los em gênero e número. Por exemplo, na frase “Os livros são interessantes”, o artigo “Os” concorda em gênero e número com o nome “livros”.

A concordância verbal e nominal é fundamental para uma escrita correta e coerente em português. Ao utilizar essas regras, evitamos que haja discordância entre os termos, garantindo a clareza e compreensão adequada do texto.

Exemplo de Concordância Verbal:

  • Os alunos estudam para as provas.
  • Todos os dias, ele corre no parque.

Exemplo de Concordância Nominal:

  • As flores coloridas embelezam o jardim.
  • O menino inteligente ganhou o prêmio.

Ao dominar as regras de concordância verbal e nominal, é possível escrever de forma mais precisa e evitar erros gramaticais comuns. A correta concordância contribui para a clareza e fluidez do texto, transmitindo com eficiência a mensagem desejada ao leitor.

Conclusão

Dominar as regras de regência verbal e nominal é essencial para escrever com correção e elegância em português. A compreensão da relação entre as palavras e seus complementos, tanto na regência verbal quanto na regência nominal, é fundamental para construir um texto coeso, coerente e compreensível.

Ao utilizar corretamente a regência, evitam-se ambiguidades e erros de concordância, garantindo a transmissão adequada da mensagem. O conhecimento dessas regras permite ao redator explorar ao máximo o potencial expressivo da língua portuguesa, criando textos impactantes e de qualidade.

Portanto, ao escrever um texto, seja ele um artigo, uma redação ou qualquer outra forma de comunicação escrita, é importante considerar e aplicar corretamente a regência verbal e nominal. Dessa forma, é possível transmitir seu pensamento de forma clara, precisa e adequada, cativando e envolvendo o leitor por meio de uma linguagem coesa e coerente.

Links de Fontes

Deixe um comentário

Conversar agora
1
Vamos conversar!
Olá
Estamos online!